Secretarias lançam V Concurso Anual de Vídeos CIPAVE

Projeto tem objetivo de revelar o protagonismo juvenil para a construção da paz

As Secretarias da Educação e de Segurança Pública e Proteção Social e o Programa CIPAVE lançaram, na quarta-feira (12/09), o V Concurso Anual de Vídeos CIPAVE Protagonistas da Paz. Este projeto tem o objetivo de revelar o protagonismo juvenil para construção da paz diante dos desafios do contexto contemporâneo, com a proposta de incentivar os jovens a se expressarem, compartilharem ideias, posicionamentos e atitudes, desenvolvendo uma cultura consciente e crítica.

De acordo com Maria Madalena Quadros, assessora do Programa CIPAVE, o protagonismo também revelará o talento e a criatividade dos jovens no uso das linguagens midiáticas. “Através da produção de vídeos, desejamos tornar conhecidas as possíveis soluções pacificadoras encontradas pelos jovens para amenizar ou resolver as situações de conflito no meio em que se encontram. Soluções essas que, quando socializadas, construirão um circuito de paz, beneficiando a todos”, afirma.

A edição deste ano tem como novidade o reforço à noção de autoria. “A principal inovação é fomentar a autoria do jovem como agente transformador do meio em que se insere, transcendendo os limites de seu entorno”, completa Maria Madalena.

As inscrições para o concurso iniciaram no dia 12 de outubro e vão até o dia 7 de novembro. O regulamento e a lista de documentos necessários para as escolas se inscreverem estão disponíveis no Portal da Educação: educacao.caxias.gov.br

Assessoria de Imprensa – Smed

 

Estudantes da Escola Castelo Branco recebem palestra sobre segurança na internet

Técnico de informática da Smed apresenta a temática para diversas instituições do Município

Os estudantes do 8º e 9º anos da Escola Estadual de Ensino Fundamental (EMEF) Presidente Castelo Branco receberam o técnico de informática da Secretaria Municipal da Educação (Smed), Alexandre José Corso, na manhã desta terça-feira (18/09). O profissional falou sobre os perigos das redes sociais, abordando a exposição excessiva e suas consequências, e passou orientações sobre segurança na internet, formas de se proteger na web e proteger a família.

Para a professora de Educação Física e de Laboratório de Informática Educativa (LIE) Simone Palagi da Silva Bastos, o tema é importante por estar presente no dia a dia dos estudantes. “Contribuiu muito para esclarecimentos e aprendizado, além de complementar o trabalho sobre a internet, seus perigos e possibilidades, que estamos implementado na escola”, explica.

De acordo com Yasmim Amoras Pereira, estudante do 8º ano, o técnico de informática ensinou coisas sobre as quais ela ainda não sabia. “Também descobri como me proteger. O tema abordado falava de coisas que acontecem muito com os jovens”, destaca. Iran Cardoso, também estudante do 8º ano, compartilha a opinião da colega. “A palestra foi bem instrutiva, porque abordou um tema que estamos sempre utilizando e foi bom aprender os riscos que corremos se não nos cuidarmos”, conta.

A proposta do técnico da Smed é levar a temática a diversas escolas da rede municipal de ensino em 2018, utilizando os estudantes e professores como multiplicadores do tema. O trabalho vem sendo desenvolvido desde 2012 nas escolas municipais por Alexandre e visa à orientação de crianças e adolescentes para o uso correto, ético e seguro da Internet.

Assessoria de Imprensa – Smed

Fotos: Ramon Tissot 

Programa da Smed oferece atividades artísticas e culturais gratuitas aos estudantes

Em 2018, as Ações Educativas Complementares ocorrem em 53 escolas do Município

A Secretaria Municipal da Educação (Smed) oferece aos estudantes da rede municipal um programa de Ações Educativas Complementares que abrange oficinas de caráter artístico, cultural e socioeducativo. As atividades são gratuitas e ocorrem no turno ou no contraturno das aulas em 53 escolas de Ensino Fundamental do Município.

Adriano Zanandrea, assessor pedagógico da Smed e referência das Ações Complementares, explica que as linguagens artísticas são conduzidas por oficineiros terceirizados contratados por empresa vencedora de licitação para 2018. “Cada profissional tem contrato de 20 horas semanais e, por isso, pode levar sua oficina para cinco escolas diferentes”, informa.

Para receber o programa, a instituição deve apresentar espaço físico adequado, além dos materiais necessários para a ação. Geralmente, cada escola oferece uma das cinco modalidades disponíveis em um dia da semana: musicalização, fotografia, teatro, dança ou capoeira. Algumas instituições disponibilizam mais de uma linguagem por terem maior número de estudantes, espaço disponível e público interessado.

De acordo com Adriano, é importante que as equipes diretivas estimulem os estudantes a participar das oficinas. “É feito um chamamento nas escolas no início do ano letivo, quando as atividades complementares também têm previsão de início. A partir disso, os alunos devem realizar a inscrição para participar da oficina”.

Ainda conforme o assessor, é feito o controle de frequência de cada estudante e apontamentos frequentes aos pais ou responsáveis. “Essas ações representam muito mais do que uma atividade extra: elas possibilitam maior integração do aluno com a escola, melhor uso do tempo livre, ampliação do tempo dos alunos em ambiente escolar, experimentação de atividades artísticas e culturais, vivência de novas linguagens artísticas, desenvolvimento de habilidades, convívio em grupo e ampliação da visão de mundo”, conclui. Neste ano, cerca de dois mil estudantes estão sendo contemplados com as linguagens artísticas ministradas por 11 oficineiros.

Assessoria de Imprensa – Smed

Fotos: Renata Zanatta