Smed reforça diálogo com Sindilimp sobre atraso nos pagamentos de funcionárias terceirizadas

Em reunião, Município se colocou à disposição para prestar auxílio às profissionais da empresa Job

Representantes da Secretaria Municipal da Educação (Smed) participaram de uma reunião, na terça-feira (11/12), na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Limpeza (Sindilimp). No encontro, a secretaria foi comunicada oficialmente dos atrasos nos pagamentos do 13º salário e das férias, referente ao mês de dezembro, das funcionárias da empresa Job que presta serviços de higienização à Smed.

Desde o início do contrato, em 2014, a secretaria tem feito reuniões periódicas com a empresa para notificar sobre problemas existentes no cumprimento do acordo estabelecido. O Município já abriu um processo de apuração de irregularidades por parte da Job. O contrato entre as partes está sendo analisado, assim como a necessidade de emitir advertência ou multa para a empresa. Desde o dia 05 de dezembro, o atraso no pagamento do 13º e das férias também foi adicionado ao processo. Por isso, o Sindilimp entrou com uma ação na Justiça cobrando o pagamento do 13º salário e a decisão foi favorável ao bloqueio de valores da empresa. Por isso, parte do próximo repasse da Smed será depositado em juízo e liberado ao Sindicato, que ficará responsável por efetuar o pagamento do 13º salário dos funcionários.

Segundo Danúbia Sartor, diretora financeira da Secretaria da Educação, o Município realiza os pagamentos em dia de acordo com a data preestabelecida no contrato com a empresa. “Nesta quinta-feira, haverá uma assembleia entre funcionárias e o Sindilimp para explicar o andamento da situação. O Município se coloca à disposição para prestar auxílio às profissionais junto à empresa terceirizada”, afirma.

A titular da Smed, Marina Matiello, que também participou da reunião, reforçou o compromisso do Município em garantir o serviço nas escolas. “A Secretaria da Educação é parceira e estamos buscando garantir os direitos das funcionárias, vinculadas à empresa terceirizada, que são fundamentais para a rotina escolar. Também reforçamos que o Município está com todos os repasses financeiros atualizados e que esperamos que a empresa possa honrar com o cumprimento do contrato”, afirmou a secretária.

O contrato com a Job se encerra em março de 2019 e uma licitação será aberta para contratação de uma nova empresa.

Assessoria de Imprensa – Smed

Estudantes da Escola Municipal Dezenove de Abril arrecadam alimentos para o Lar São Francisco

Iniciativa fez parte de um projeto desenvolvido com as turmas do 3º ano da instituição

Solidariedade e compaixão fazem parte do currículo da Escola Municipal Dezenove de Abril. Por isso, desde o primeiro semestre, os professores do 3º ano trabalham com a temática “valores” em sala de aula. O trabalho culminou com o projeto Bolsa do Bem, encerrado na última terça-feira (11/12), no Lar da Velhice São Francisco de Assis.

A professora das séries iniciais, Renata Zilio, explica que a proposta consistiu na confecção de bolsas pelas mães de estudantes, que foram trocadas na comunidade por alimento. “A identidade visual da escola foi estampada nas bolsas e, no dia 5 de dezembro, os estudantes percorreram o bairro São Giácomo trocando cada uma dessas bolsas por um quilo de alimento”, contou.

Além da doação dos alimentos arrecadados para o Lar São Francisco, os estudantes proporcionaram aos idosos atendidos um momento de lazer, com a leitura de histórias. “Muitos dos usuários ficam sem ver a família por bastante tempo e esse contato talvez os ajude a se lembrarem dos netos. As histórias dos alunos fazem os idosos viajarem para outros mundos, oferecendo algo diferente, alegre e mágico”, aponta Renata.

A professora explica que essa iniciativa faz parte de uma proposta da escola. “Anualmente, cada turma tem o seu projeto. No decorrer do ano letivo, trabalhamos com os alunos dos terceiros anos questões de valores, de convivência, do pensar no próximo. Acredito que não estamos aqui só por nós, então começamos essa educação pelos pequenos”, declara.

Assessoria de Imprensa – Smed

Fotos: Renata Zanatta 

Escolas do município desenvolvem projetos de ensino com metodologia de expedição investigativa

Programa “A União Faz a Vida” oferece suporte pedagógico a professores

A Secretaria Municipal da Educação (Smed) aderiu, no ano letivo de 2018, ao programa “A União Faz a Vida”, uma iniciativa da Sicredi Pioneira RS em parceria com as secretarias de Educação do Estado. O trabalho nas escolas é desenvolvido por meio de uma metodologia chamada de expedição investigativa, que equilibra a intenção pedagógica do professor com o interesse dos alunos. As escolas Santa Lúcia e Sete de Setembro participaram do programa, que deve ser oferecido no próximo ano para outras escolas da rede.

De acordo com Priscila Pasinato Pontes, professora dos anos iniciais na escola Santa Lúcia, o projeto “A Gigante dos Mares” foi desenvolvido no decorrer do segundo semestre com os estudantes do primeiro ano. A pergunta exploratória “Qual é o maior animal do mundo?” norteou os trabalhos. “Esse projeto foi uma experiência surpreendente e gratificante. No início, havia uma desconfiança de que seria difícil com a metodologia do Programa União Faz a Vida, mas ele se mostrou um meio muito eficaz para promover a autonomia e o protagonismo dos alunos”, aponta. Além de favorecer atividades lúdicas, a interdisciplinariedade e a pesquisa com a participação de toda turma, o trabalho teve grande importância profissional para a professora. “O projeto proporcionou a escrita e a reflexão sobre as práticas pedagógicas”, declara.

Rosana Cardoso Vieira, professora de História na Escola Sete de Setembro, explica que o projeto “Sete de Setembro, uma longa história…” foi desenvolvido com os estudantes do 8º ano a partir da curiosidade da própria turma, demais professores e equipe diretiva em conhecer a trajetória da instituição. “Não foi uma tarefa fácil, porque a turma é grande, de 30 alunos. Mas foi uma experiência encantadora! As descobertas, os questionamentos, todos envolvidos, inclusive as famílias… Acompanhar essa maturidade deles foi gratificante”, afirma. Ainda de acordo com a professora, o trabalho teve início ainda no final do primeiro semestre. “A posição deles com relação à escola e aos outros alunos mudou. Fizeram a apresentação para toda comunidade escolar no dia 29 de outubro”, expõe.

O programa
A iniciativa do Sicredi Pioneira RS foi idealizada em 2000, com o principal objetivo de oportunizar aos professores um suporte pedagógico e, aos alunos, a construção e a vivência da cooperação e da cidadania. Para desenvolver a metodologia de projetos por expedição investigativa, as escolas recebem o auxílio dos assessores pedagógicos do programa através de formações. Atualmente, 122 escolas de 18 municípios do Rio Grande do Sul participam do projeto.

Revista A União Faz a Vida
Os projetos desenvolvidos com o auxílio das professoras Priscila e Rosana foram selecionados para publicação na revista do programa, que contempla as escolas de todas as cidades gaúchas participantes. O evento de lançamento da revista ocorreu na última semana, no Hotel Vila Verde, em Nova Petrópolis.

Para Priscila, a cerimônia de lançamento também foi muito importante. “Foi um momento de valorização profissional. Recebemos a revista com os projetos publicados, foi feita uma homenagem aos professores, às equipes diretivas e a todos que se envolveram. Ao mesmo tempo, incentivou as escolas para que continuem se envolvendo, já pensando no próximo ano”, expõe. Segundo Rosana, a valorização pedagógica é essencial. “Recebemos formação na escola e acompanhamento durante todo ano, que culminou nesse evento. Me senti valorizada por ter o nosso projeto selecionado”, declara.

Assessoria de Imprensa – Smed

A professora Rosana

A professora Priscila 

Fotos: Divulgação