Saúde mental na adolescência motiva formação para 1,5 mil professores da Smed

Encontro ocorreu neste sábado e reuniu docentes dos anos finais do Ensino Fundamental

Um grupo de 1,5 mil professores da rede municipal de ensino participou na manhã deste sábado (30/03) de uma formação promovida pela Secretaria Municipal da Educação (Smed). Com o tema “Olhares sobre a adolescência: de boas com a gurizada”, o encontro, que ocorreu na sede da Fundação Marcopolo, contemplou os docentes concursados em Área II, correspondente aos estudantes do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental. As palestras abordaram a saúde mental dos adolescentes.

A abertura do evento foi marcada pela apresentação da orquestra da Fundação Marcopolo, composta por estudantes da rede. A programação contou com duas falas, ambas relacionadas às culturas juvenis e à saúde dos jovens. Nilda Stecanela, professora aposentada pelo Município e doutora em Educação, falou sobre sua tese, na qual apresenta um diálogo entre a sociologia da educação e da juventude. No segundo momento, a coordenadora do Comitê Estadual de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio, Andreia Novo Volkmer, e a psicóloga Natália Fattah, apresentaram, juntas, questões referentes ao diagnóstico e prevenção da automutilação e suicídio na adolescência.

Para Bruna Costa, professora da Escola Municipal Machado de Assis, além de um momento de aprendizado, o encontro proporcionou a integração dos profissionais. “A formação continuada é muito importante. O tema abordado foi bem específico e focado naquilo que precisamos ouvir. Os adolescentes hoje não são mais padronizados, então é preciso estar sempre se aprimorando para lidar com eles. Também foi uma oportunidade para encontrar os colegas das outras escolas para ampliar esse debate”, expõe.

De acordo com a diretora pedagógica da Smed, Flávia Basso Morés, as expectativas para a formação foram atingidas. “Ficamos satisfeitos em poder proporcionar um encontro em que diferentes profissionais, com histórias e constituições diversas, se reúnem para dialogar com algo que é comum ao cotidiano de todos. As palestras deram o tom do trabalho pedagógico a que nos propomos enquanto mantenedora. A ideia é continuarmos trazendo para a roda, além de assuntos mais pontuais e específicos, temas de interesse coletivo. O objetivo é que nossa rede possa estar cada vez mais fortalecida e segura na execução do seu trabalho”, garante Flávia.

Assessoria de Imprensa – Smed

Fotos: Renata Zanatta

Professores da rede municipal participam de formação sobre saúde mental nas escolas

Encontros trataram sobre comportamento, regulação emocional e prevenção de conflitos

A Secretaria Municipal da Educação (Smed) promoveu uma formação sobre saúde mental para professores da rede municipal de ensino, de 25 a 28 de março. O encontrou foi ministrado pela psicóloga clínica Débora Fava. O objetivo da proposta foi demonstrar aos docentes os princípios de uma abordagem psicoterápica a fim de melhorar a interação com os estudantes.

“A ideia não é desenvolver mais um manual para o professor ficar aplicando em sala de aula, mas sim que ele fique dotado de um conhecimento que vá facilitar a interação dele com as crianças, que vá prevenir problemas de comportamento e melhorar os que já existem”, explica Débora. Nos primeiros momentos do encontro, os docentes trabalharam questões de pensamento e emoção das crianças e foram convidados também a refletir sobre seus próprios sentimentos e níveis de bem-estar.

Para Aline Messias Oliveira, professora da Escola Municipal Zélia Rodrigues Furtado, a formação foi interessante, pois trouxe uma nova perspectiva para os professores, fazendo-os pensar em si mesmos para depois conseguir ajudar os estudantes. “O autoconhecimento é essencial para que depois a gente consiga conhecer e compreender o estudante, e saber, de fato, qual é a melhor intervenção que temos que escolher para lidar com aquele problema, com aquele comportamento ou desvio de conduta que a criança venha apresentando. Muitas vezes, esses desvios nem são na sala de aula, são no recreio ou nos espaços fora de sala, mas que nós professores ajudaremos resolver”, conta.

Para a psicóloga, falar de saúde mental dos estudantes é falar também da saúde mental dos professores. “Ultimamente, com tantos problemas difíceis que estamos percebendo, é essencial trabalhar emoções e comportamento no âmbito da sala de aula”, resume a profissional.

Assessoria de Imprensa – Smed

Fotos: Carolina Canton

Fotos: Renata Zanatta